Quando surge o arco-íris

Na Ucrânia, na época das chuvas de verão, é comum o aparecimento de arco-íris, que emolduram o lindo céu azul após os últimos pingos d’água.

É um fenômeno tão bonito que existe uma lenda a respeito.

Para os antigos habitantes deste país, durante os dias quentes e ensolarados do meio do ano, a terra e seus moradores eram atormentados por intenso calor. Mesmo à sombra, a temperatura fazia com que os ucranianos – fossem nobres, guerreiros, comerciantes ou camponeses – suassem muito, não conseguindo trabalhar direito e se cansando facilmente.

Além disso, as plantações secavam e a fome poderia assolar o povo durante o rigoroso inverno que viria em breve. As pessoas então, sem outra alternativa, rezavam a pediam aos seus deuses que habitavam o céu, os campos e as águas, que trouxessem uma solução para o problema.

Escutando o lamento de seus filhos, os deuses se reuniram e começaram a discutir o que poderiam fazer para ajudar aquela gente.

Os que viviam no céu, falaram:

– Se não podemos fazer o sol deixar de brilhar, pois seu caminho nos céus não pode ser mudado e o povo precisa da sua luz para trabalhar, pelo menos conseguimos que ele amainasse sua força e seu calor durante o outono e a primavera, descansando ainda durante o inverno. Mas com nossos poderes, é fácil resolver a questão. Mandaremos as nuvens se colocarem por baixo dele na sua passagem pelos céus e, como elas são finas como algodão, deixarão que a luz do astro-rei passe por elas.

– É uma boa alternativa – disseram os deuses que viviam na terra – mas os campos continuarão secos e empoeirados. Por mais que dividamos nossas forças com as pobres plantas, suas raízes precisam de água… Daí…

Olhando para os outros deuses, os que controlavam as águas dos rios, dos lagos e do próprio mar, os que já haviam se pronunciados esperaram que eles dissessem alguma coisa e dessem um fim ao problema dos ucranianos.

Os deuses das águas cochicharam um pouco entre si e, após algum tempo, responderam sorrindo:

– Se o problema é água, nós somos a solução! (esse deve ter sido o primeiro slogan que surgiu…) Faremos com que os rios e os lagos transbordem e inundem as terras cultivadas. Os deuses da terra deixarão que a água alcance as raízes das plantas e pronto… Resolvido fica o problema dos humanos.

– Ou estamos criando mais um problema para eles? – perguntaram em coro os deuses da terra – Os humanos fazem suas casas e criam seus animais próximos aos terrenos onde são cultivadas as plantas. Se vocês, valorosos irmãos, encherem de água esses lugares, muitos de nossos filhos e também seus animais poderão se afogar. Além disso, as casas ficarão frágeis e desabarão sobre suas crianças e seus velhos. Não. Esta não é uma solução aceitável!

Enquanto os deuses continuavam discutindo, aqui na terra os ucranianos continuavam sofrendo.

Um camponês, muito velho e cansado dessa situação, começou a reclamar nas suas preces:

– Vocês, deuses, parecem não ligar para nós! Enquanto aqui procuramos ajudar uns aos outros, trabalhando juntos, vocês ficam falando e falando, querendo, cada um por si, ser o criador da solução!

Aquela prece ecoou na morada dos deuses. Longe de ficarem zangados, eles perceberam que a solução tinha que vir de um trabalho conjunto. Uma das ideias foi, então, regar o solo com a água, como faziam os camponeses, controlando a quantidade de líquido que atingiria a terra.

Para isso era preciso levar as águas dos rios e dos lagos, que não eram salgadas como as do mar – que estragam e matam as plantas regadas com elas – lá para o céu, guardando-as nas nuvens pois por serem límpidas e transparentes não impediriam a passagem da luz. Quando fosse preciso, os deuses da terra chamariam seus irmãos do céu que deixariam cair um pouco dessa água sobre a Ucrânia, mesmo durante a primavera e o outono, quando o solo precisava de menos água para alimentar as raízes. Durante o inverno, a água da chuva – como foi chamada – acabava congelando, caindo como pequenos flocos de neve, estendendo um manto branco sobre os domínios dos deuses da terra, que aproveitavam para dormir um pouco.

Para transportar as águas, os deuses agiram de modo conjunto. Juntaram seus poderes e criaram uma espécie de tubulação por onde a água subiria aos céus até as nuvens. Feliz com essa tarefa, coube ao sol, com sua fonte de luz criadora de todas as cores, pintar aqueles “canos”. Ele escolheu as sete mais bonitas: vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, roxo e violeta.

 

 

Quando as pessoas viram aquele espetáculo pela primeira vez, ficaram maravilhadas. Logo depois choveu em todo o país. Enquanto as plantas “bebiam” agradecidas, o povo cantava nos campos e nas cidades. Agradeceram aos seus deuses pelo presente e quando acabou a chuva, quando as últimas gotas tocam a terra, era hora de levar um pouco mais de água para as nuvens, surgindo então outro arco-íris.

Tem sido assim desde então. Mas somente aquele primeiro arco-íris surgiu num céu azul e brilhante, enchendo de água as nuvens que se aproximavam e que começaram a ficar com uma cor acinzentada. Os deuses descobriram que o cinza tinha sido mais uma obra do sol. É que depois de escutar as reclamações da cor negra que estava de fora do arco-íris, ele pingou um pouquinho nas nuvens… mas só um pouquinho, pois o restante o sol precisava para, antes de dormir, pintar a noite…. mas essa já é outra história!!!!

 

2 comentários em “Quando surge o arco-íris

  • 31/07/2017 em 13:18
    Permalink

    Muito bonito. Algns dias atrás vi no facebook 2 arcoiris.

    Resposta
  • 27/06/2020 em 13:19
    Permalink

    Sou Elaine Rocha, eu gostei muito do seu artigo seu conteúdo vem me ajudando bastante, muito obrigada.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *