Esperança

Надія (Esperança, Nadiya), primeira poesia de Lesia Ukrainka [Леся Українка], expoente da literatura ucraniana e porta-voz da liberdade.

 

 

Tradução: Ludmila Szymanskyj

 

Lesia Ukrainka (1871-1913) escreveu Esperança [Надія] (Nadiya), sua primeira poesia, aos nove anos de idade, quando sua amada tia Elia [Еля] foi presa por conta de ações revolucionárias. O poema tem como assinatura o local e a data: Lutsk [Луцьк], 1880.

Aos treze anos, com o apoio da mãe, Olha Drahomanova-Kosach, também escritora, poeta e ativista política, mais conhecida pelo pseudônimo de Olena Pchilka, Larysa Petrivna Kosach-Kvitka escolheu um pseudônimo para si mesma e publicou seu primeiro poema: Convalia [Конвалія] (Lírio do Vale), se assinando Lesia Ukrainka [Леся Українка].

 

Desde então o mundo passou a ser presenteado com as maravilhosas poesias e histórias dessa mulher de rara personalidade e enorme inteligência, pois falava dez idiomas e era uma ativista civil, política e feminista.

 

A escritora viveu uma vida curta mas sua trajetória se tornou uma lenda. Mais de um século depois de sua morte, sua obra encanta milhares de leitores em todo o mundo.

 

Foto de 1886. In: http://lesya.artiweb.org.ua/images/portraits/large/vol02-016a.gif

 

Esperança Надія Nadiya
Não tenho boa sina, nem a liberdade Ні долі, ні волі у мене нема, Hi doli, ni voli u mene nema,
Somente ficou uma esperança: Зосталася тільки надія одна: Zostalasya tilʹky nadiya odna:
Esperança de voltar à minha Ucrânia, Надія вернутись ще раз на Вкраїну, Nadiya vernutysʹ shche raz na Vkrayinu,
Olhar mais uma vez para a querida terra, Поглянути ще раз на рідну країну, Pohlyanuty shche raz na ridnu krayinu,
Mais uma vez mirar o vasto Dniper, – Поглянути ще раз на синій Дніпро, – Pohlyanuty shche raz na syniy Dnipro, —
Lá viver ou morrer, a mim é indiferente; Там жити чи вмерти, мені все одно; Tam zhyty chy vmerty, meni vse odno;
Olhar as estepes, os montes, Поглянути ще раз на степ, могилки, Pohlyanuty shche raz na step, mohylky,
Pela última vez recordar as reflexões ardentes… Востаннє згадати палкії гадки… Vostannye z hadaty palki? hadky…
Não tenho boa sina nem a liberdade, Ні долі, ні волі у мене нема, Ni doli, ni voli u mene nema,
Somente ficou uma esperança. Зосталася тільки надія одна. Zostalasya tilʹky nadiya odna.

 

Fonte do poema original no site oficial: http://lesya.artiweb.org.ua/works/verses/nkp/27nadija.html

 

Outras fontes de consulta para o poema original: https://onlyart.org.ua/ukrainian-poets/lesya-ukrayinka/lesya-ukrayinka-nadiya/

 

E http://ukrbooks.com/ua/nadija/

 

Veja e ouça:

 

Foi utilizado para a tradução o livro Календарик Дошколярик [Calendário para Estudantes] para os alunos do ensino fundamental, da editora Веселка [Vecelka, Arco-Íris], Kyiv, 1997

 

Transliteração via Google Translate

Um comentário em “Esperança

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *