Testamento

Заповіт, um  dos mais famosos poemas de Taras Shevchenko, aqui em tradução poética por Lydia S. Dniprovey. Veja.

 

 

O poema foi escrito em 1845 e essa tradução poética foi feita em 8 de setembro de 1975. Ficam aqui algumas observações. Esta tradução poética faz parte de uma série de trabalhos feitos pela estudiosa Lydia Dniprovey, muitos deles ainda escritos à mão e alguns inclusive sem referências (como é o caso deste poema, do qual não tenho a referência do original; vale lembrar que muitos livros que os ucranianos tinham acesso aqui no Brasil durante todo o período da União Soviética chegavam por dois caminhos: ou tinham vindo na bagagem dos imigrantes ou vinham de outros países, como Estados Unidos e Canadá, o que resultava, muitas vezes, em diferenças entre originais). Tomei a liberdade de fazer uma “correspondência” entre o original e a tradução poética, apenas para efeito referencial de compreensão. Considero de enorme importância esse trabalho, que foi feito com dedicação e muito amor pela história e pela cultura ucranianas. E considero que sim! é mais uma página deste legado para compor um legado maior.

 

Quando eu morrer

 

Sepultai-me nas estepes Як умру, то поховайте
Na amplidão de uma colina… Мене на могилі,
Na fagueira e imaculada, Серед степу широкого,
Bem-amada, Ucraína: На Вкраїні милій,
De onde eu ouço o retumbante, Щоб лани широкополі,
Rio Dnieper a bramir, І Дніпро, і кручі
Redimindo as verdes plagas, Було видно, було чути,
Entre as vagas do porvir; Як реве ревучий.
Rechaçando da Ucraína, Як понесе з України
O mau sangue a rebramar; У синєє море
Dos covardes, dos profanos, Кров ворожу… отойді я
Dos tiranos, para o mar. І лани, і гори —
Só então eu subirei, Все покину і полину
Deixarei os mananciais, До самого бога
E aureoladas cordilheiras, Молитися… а до того
Orarei, e finalmente… Я не знаю бога.
Ao Senhor, e em Seu apreço,
Na harmonia de uma aurora,
Que até “agora”, desconheço!
Sepultai-me, e libertai-vos, Поховайте та вставайте,
Dos grilhões, da adversidade, Кайдани порвіте
Do inimigo, do algoz, І вражою злою кров’ю
Na aurivoz, da liberdade! Волю окропіте.
Com o mau sangue se extinguindo,
Proclamai a liderança!
Com lauréis imorredouros,
Com os louros, da bonança.
E nesta imensa família І мене в сем’ї великій,
Livre, nova, e meritória, В сем’ї вольній, новій,
Consagrai-me um instante, Не забудьте пом’янути
Mas tocante… a memória! Незлим тихим словом.

 

 

 

 

2 comentários em “Testamento

  • Pingback: Testamento – Minha Ucrânia

  • 04/10/2017 em 15:19
    Permalink

    Conhecendo a tradutora como eu conheci, e hoje relendo o poema em ucraniano, consigo sentir a alma ucraniana e o grande talento!!! Que orgulho!!!
    Minha mãe, de onde estiver tenha certeza de que nós aqui continuaremos sua grande obra!!!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *