Borscht frio

Conhecido como Zemnei Borscht, na Ucrânia é chamado de Holodny Borscht. Seja como for, é delícia pura, para comer rezando. Acreditem em mim!

 

In: http://cook.net.ua/holodnii-borsh-na-kefiri/

 

 

Dias mais quentes, noites mais frescas, a primavera é prenúncio do verão abaixo do Equador. Os imigrantes que aqui desembarcaram trouxeram toda a riqueza que tinham: música, dança, poemas, história, estórias, cultura. E culinária, é claro! Dentre as receitas que as “babas” (assim carinhosamente chamadas as senhoras de mais experiência e também as avós) deixaram, estão, sem dúvida, as de borscht (uma delas já publicada aqui). Mas o clima completamente diferente do da Pátria que ficou tão distante, proporcionou algumas adaptações. Caso do Natal, em que o borscht é um dos pratos da ceia. Na Ucrânia, o inverno rigoroso que marca a data pede um prato quente, suculento e substancioso. Aqui, no Brasil, o clima tropical trouxe a versão verão do borscht, que muitos ucranianos (inclusive meu pai) chamam de Zemnei Borscht, ou borscht frio.

A internet hoje, que nos conecta com o mundo, mostra a versão fria do borscht com o nome de Holodny Borscht [Холодний Борщ] e não zemnei borscht. Independente do nome que tenha, e polêmicas à parte*, o prato compõe, em posição privilegiada, a coletânea de iguarias mais apreciadas entre os ucranianos na Ucrânia e em todo o mundo**.

Para você se deliciar, trouxemos uma receita mais do que especial, fornecida gentilmente por minha amiga e comadre Tatiana Nacarato Szymanskyj. Com o seguinte comentário: “era minha mãe [a estudiosa da cultura ucraniana Lydia Siemachktevitch Dniprovey] quem fazia essa sopa; diz a lenda que minha mãe conquistou meu pai com essa sopa…”

 

Ingredientes

Para preparar na véspera:

6 beterrabas vermelhas bem pequenas

1 litro da água do cozimento das beterrabas

1 xícara (chá) de vinagre de maçã

1 xícara (chá) de suco de limão

1 colher (sopa) de sal

1 litro de leite

 

Para preparar no dia:

2 pepinos médios ou 4 pepinos pequenos frescos ou em conserva cortados em rodelas

4 ou mais ovos cozidos cortados em rodelas

250 g de presunto ou frios sortidos cortados em fatias finas e em quadrados

1 xícara (café) de salsa

1 xícara (café) de cebolinha verde (opcional)

1 colher (sopa) de sal

1 lata de creme de leite ou a mesma medida de creme de leite fresco

krip fresco [кріп] a gosto (aqui no Brasil é conhecido como dill ou endro; nesta receita se usa sempre a versão fresca)

 

Modo de preparo

Comece na véspera: cozinhe as beterrabas com casca. Espere esfriar, descasque e passe pelo ralador grosso; deixe na geladeira até o dia seguinte mergulhadas no vinagre, no limão e no sal. Reserve a água do cozimento na geladeira. Ferva o leite, espere esfriar e guarde na geladeira. Leve o creme de leite para gelar.

No dia seguinte coloque numa vasilha grande a beterraba curtida, a água do cozimento das beterrabas e o leite. Mexa bem. Junte todos os outros ingredientes. Misture bem e finalize com o creme de leite. Esta sopa deve ficar bem azedinha para contrastar com o adocicado da beterraba. Às vezes é preciso acrescentar mais vinagre, limão e sal. Depois de pronta pode ser conservada na geladeira por até dez dias. Pode-se degustar em temperatura ambiente.

Como opções, pode-se levar à mesa alho picadinho para ser colocado no prato a gosto (em vários sites ucranianos de receitas encontramos sugestões para servir com uma batata cozida e descascada colocada junto ao prato para ser acrescentada a gosto).

A quantidade de frios, ovos e temperos verdes frescos, pode ser alterada de acordo com a preferência de quem faz (e de quem irá degustar).

 

 

*Istvan Wessel, especialista em carnes e nome conhecido e reconhecido, publicou em seu blog: “Acredita-se que o borscht é originário de Ucrânia, mas ele é parte importante da herança culinária da Europa Oriental e Central. Borscht frio existe em diversas culturas. É uma sopa adocicada, feita de beterraba fatiada ou ralada e cozida em caldo de galinha. O creme de leite pode ser azedo ou não, mas ele não é misturado ao borscht e sim colocado no centro do prato na hora de comer. Nos dias frios, o borscht é servido quente e o creme de leite é sempre facultativo.”

In: http://www.wessel.com.br/blog/post/borscht

 

In: http://www.myvin.com.ua/ua/news/region/23279.html

 

 

**O borscht é tão importante na cultura ucraniana que as receitas de família são consideradas verdadeiros tesouros. E sim, cada família tem a sua receita que é exclusiva. Para se ter uma ideia da importância do borscht, saiba que a mídia ucraniana geralmente usa o “índice borscht” informal (semelhante ao índice Big Mac) para avaliar o poder de compra de várias moedas, bem como para determinar a inflação real da hryvnia (a moeda ucraniana). O “índice borscht” é o preço médio agregado dos produtos necessários para cozinhar uma certa quantidade desse prato em uma determinada data. E ainda, na região de Ternopil há uma cidade batizada em homenagem ao borscht. É a cidade de Borschchiv [Борщів], local escolhido para um festival anual de borscht que acontece sempre no outono.

In: http://prolviv.com/blog/2017/09/27/16-faktiv-pro-ukrainskyi-borshch-iakykh-vy-tochno-ne-znaly/

 

In: http://prolviv.com/blog/2017/09/27/16-faktiv-pro-ukrainskyi-borshch-iakykh-vy-tochno-ne-znaly/

 

 

Fonte da imagem principal in http://gazeta.lviv.ua/2017/07/13/ctravi-z-ovochiv-smakuvatimut-usim/

Outras fontes: http://prolviv.com/blog/2017/09/27/16-faktiv-pro-ukrainskyi-borshch-iakykh-vy-tochno-ne-znaly/

http://izum.ua/

 

 

3 comentários em “Borscht frio

  • 04/10/2017 em 15:10
    Permalink

    Querida Olga,
    Fiquei muito emocionada com suas palavras e com a publicação da receita.
    Te agradeço muito! Um beijo

  • 04/10/2017 em 15:45
    Permalink

    Olga, Parabéns mais uma vez pela iniciativa deste site e árduo trabalho!! Só você uma ucraniana com alma desinteressada e formação jornalística, poderia com tamanho desprendimento, divulgar, divulgar com qualidade, mas apenas divulgar!!!
    Tenho muito orgulho de você!!!!!

  • Pingback: Tradições de Natal – Minha Ucrânia

Deixe uma resposta