A lenda do Príncipe Oleg

Entre os séculos IX e X, reinou, na antiga Ucrânia, o Príncipe Oleg. Sobre ele existem crônicas e lendas.

 

Nas colinas de Kyiv [Київ] havia um grande castelo. Todas as janelas eram de cristal; as portas eram de ouro e havia muitos tapetes valiosos. Neste castelo vivia o Kniaz Oleg [Князь Олег]. Kniaz era a denominação dada aos rei de Russ de Kyiv [Київська Рус], atual Ucrânia. Kniaz Oleg era rico, inteligente e reinava com sabedoria e justiça. Defendia seu povo e seu reino contra os inimigos. E por isso todos os súditos o amavam. 

 

 

Naquela época, cada rei tinha seu cavalo preferido. Kniaz Oleg também possuía o seu. Era um cavalo belo e negro, seu melhor amigo, muito amado.

 

Numa de suas campanhas, depois de marchar pelas estepes e atravessar rios com suas tropas, ao passar por uma floresta, Kniaz Oleg avistou um poço. Resolveu descansar e dar água aos cavalos. O povo os viu e veio ajudá-los. Entre eles havia muitos jovens que ofereceram baldes com água para os cavalheiros. Todos eles estavam sendo servidos e Kniaz Oleg esperava sua vez. Olhando ao redor, viu uma bela jovem com os cabelos soltos, olhos negros e brilhantes, lábios vermelhos como as cerejas e a face branca, branquinha. Muito triste, olhava para o Kniaz. De repente largou o balde e correu para ele.

 

— Oh, meu Kniaz! Você… Você morrerá por causa de seu cavalo! – falou a jovem.

— Como você você sabe que morrerei por causa do meu cavalo? – perguntou Kniaz Oleg.

— Eu sei. Eu senti com meu coração. – respondeu a moça.

— Não gostei deste presságio! – lamentou ele. – Será que você não poderia dizer algo de bom?

— Eu sei… eu sei… – insistiu a jovem. – Porém você morrerá por causa dele.

 

Depois de descansar, continuaram a marcha. Kniaz Oleg estava triste. Não conseguia esquecer a conversa e o olhar brilhante da jovem. “Você morrerá por causa de seu cavalo…”.

 

Porém, durante a batalha, esqueceu tudo e lutou com muita bravura. Após a vitória, voltavam todos orgulhosos para o reino. Passando pela mesma aldeia onde tinham anteriormente dado água aos cavalos, pararam e Kniaz Oleg foi até o poço. Lá estava a jovem bela e pálida e seus olhos brilhavam mais ainda.

 

— Boa tarde, feiticeira! – cumprimentou Kniaz Oleg. – Eu ainda estou vivo. E meu cavalo também.

— Você viverá por muito tempo. Fará seu reino mais belo e rico, porém você morrerá por causa de seu cavalo. O motivo da sua morte se espalhará por todo o reino e tudo que os bons Kniazes construirão, ela destruirá! – profetizou a jovem. – Cavalheiros! Matem-na! Matem-na!

 

 

A jovem caiu e desmaiou e tornou-se ainda mais pálida. Correram para ela porém ela não estava mais respirando.

 

— Como ela é linda! – falaram todos. – O que ela dizia? Matem-na? Matar a quem?

— O destino mostrará. – disse Kniaz Oleg.

 

Todos ficaram angustiados e foram embora para suas casas.

 

Triste, Kniaz Oleg deixou de montar o seu cavalo amado. Construiu um estábulo só para ele, para que nada faltasse a seu cavalo preferido.

 

Kniaz Oleg governou Russ de Kyiv por 33 anos, construindo, reafirmando e ampliando seu império. Porém nunca esqueceu o seu cavalo preferido e sempre que podia, fazia uma visita a ele. 

 

Voltando de uma longa batalha, foi avisado de que seu cavalo havia morrido.

 

— Morreu o meu melhor amigo. Porém o presságio da jovem não se realizou. Eu estou vivo! Me levem até ele. – considerou Kniaz Oleg. 

 

Levaram o Kniaz até lá, mas do cavalo só havia os brancos ossos. Kniaz tocou com o pé o crânio do cavalo. Dele saiu célere uma cobra venenosa que mordeu o pé do Kniaz.

 

Rapidamente o Kniaz foi levado para seu castelo. Colocaram-no na cama e tentaram salvá-lo.

 

— Isto já será o meu fim. – falou o Kniaz. – A jovem disse que minha morte seria por causa do meu cavalo. Também disse que a cobra se espalharia por todo o reino e tudo o que as boas pessoas haviam construído ela iria destruir.

 

No quarto, reinou o silêncio. O Kniaz ficou imóvel. Porém todos ouviam a voz da jovem: “Matem-na! Matem a cobra para não arruinar a vida do bom povo!”

 

Todos se aproximaram do agonizante Kniaz, que sussurrou:

 

— Encontrem a cobra. Se não, será a vossa desgraça! – e dizendo isso, morreu.

 

Até hoje a temível cobra rasteja entre o povo, porém ninguém consegue matá-la. Talvez faltou a força para os cavalheiros de Russ de Kyiv? Ou eles não conseguiram vê-la?

 

Sempre se ouvia a voz da jovem: “Matem-na! Matem-na! Ela está entre vós! Ela está aqui!”

 

Autoria: Lavriska, I. [І. Лаврівська], no capítulo Kniaz Oleg no livro História da Ucrânia em Fábulas e Lendas [Історія України в казках та легендах], editora Avers [Аверс], 2001, Lviv [Львів], Ucrânia.

 

Tradução: Ludmila Szymanskyj

 

In: https://nosorog.net.ua/82698/istoriya-ukrayini-v-kazkakh-i-legendakh-avers-ukr.jpg

 

Imagens in: aversbooks

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *